Os gringos do Corinthians

Por Paulo Unzelte:

No domingo, na partida São Bernardo 2 x 2 Corinthians, estreou com um golaço o peruano Luiz Ramirez “Cachito”, o último dos gringos que nos últimos anos povoam o elenco corintiano. As razões para que os clubes brasileiros apostem nos estrangeiros são diversos, principalmente nos últimos anos, devido à valorização da nossa moeda. O problema é que a grande maioria destes jogadores tem uma qualidade duvidosa e pouco contribuem, além de ser contratada através de empresários e seus famosos DVD´s.

Apresento um breve perfil dos jogadores estrangeiros que passaram pelo Coringão da década de 1980 para cá e como se saíram com a camisa corintiana.

Estrangeiros que se tornaram ídolos:

Daniel González: Uruguaio que veio da Lusa. Jogou no Timão no biênio 1982/83. Era um zagueiro firme e seguro e também um dos líderes da Democracia Corinthiana.

Gamarra: Paraguaio que veio do Benfica-POR. Atuou pelo Corinthians em 1998 e 1999. Na minha opinião, o melhor zagueiro que vi jogar pelo Coringão, graças à sua qualidade técnica.

Rincón: Colombiano que veio do real Madrid-ESP. Teve duas passagens pelo Corinthians: 1997 a 2000 e em 2004. Era meia de origem, mas no Timão se encontrou como volante. Foi o capitão do título mundial em 2000. Saiu com fama de mercenário, quando trocou o Corinthians pelo Santos. Seu retorno foi frustrante e pode fez.

Tevez: Argentino que veio do Boca Juniors-ARG. Entre 2005 e 2006 honrou a camisa alvinegra. Sua garra e habilidade conquistaram a Fiel. Raçudo, parecia que tinha nascido no “Terrão”. A eliminação na Libertadores de 2006 e a iminente saída da MSI do clube, assim como um relacionamento conturbado com o técnico Leão, abreviaram sua passagem pelo clube, deixando muita saudade.

Herrera: Argentino que veio do Gimnasia La Plata-ARG. Jogou em 2008 e, chegou com a fama de “quase gol”. Tornou-se um dos principais jogadores na campanha da conquista da segundona, em 2008, pelo seu estilo raçudo e esforçado, mas com pouca qualidade técnica.

Furos na água:

Hugo De Leon: Uruguaio que veio do Grêmio em 1985. O Timão formava uma seleção e contratou o zagueiro, que no Grêmio e no Uruguai, era conhecido como craque e xerifão. No Corinthians jogou pouco e mal e nunca correspondeu os 1 bilhão e 725 milhões de cruzeiros pagos, a maior contratação do futebol brasileiro, e acabou indo pro Santos no final de 2005.

Frank Williams: Sul-africano que jogou três partidas, não marcando gols, em 1986. Sua passagem pode ser esumida da seguinte forma: brincadeira de mal gosto.

Taborda: Uruguaio que veio do Nacional-URU. Jogou pelo Corinthians de 1978 a 1982. O São Paulo tinha Dario Pereyra e Vicente Matheus não queria ficar por baixo. Foi ao Uruguai e trouxe Taborda. Apresentado como craque, era um jogador abaixo da crítica. Foi trocado por Daniel González com a Portuguesa.

Sebá Dominguez: Argentino que veio do Newell´s Old Boys-ARG. Contratado em 2005 pela MSI, foi apresentado como um galáctico. Só que em campo a realidade foi outra e Sebá não passou de um zagueiro pesado e muito fraco tecnicamente. Para piorar, sofreu uma séria contusão no púbis. Saiu no fim de 2006.

Johnny Herrera: Chileno que veio do Universidad de Chile. A MSI apostou no “Superboy” em 2006 para resolver o problema do gol corintiano. De baixa estatura e técnica duvidosa, desandou a falhar até ser esquecido, não ficando nem no banco. Se mandou em 2007, quando voltou para o Chile.

Acosta: Uruguai que veio do Náutico. O gringo havia sido vice-artilheiro do Brasileirão de 2007 e melhor atacante do torneio pela CBF. O Timão fez um grande investimento e trouxe Acosta em 2008 para ser a grande estrela do time. O resultado foi que fez poucos gols, além de ser um jogador limitado e comum. Ainda sofreu uma grave fratura na perna, afastando-o dos gramados por cerca de seis meses, saindo do Timão após recuperar-se, em 2009, voltando para o Náutico.

Ávalos: Argentino que jogou em 2000 e 2001. Zagueiro de má lembrança. Abusava da violência e era limitadíssimo. Foi contratado através de uma fita de vídeo, após ser reprovado pelo Santos e São Paulo. Nos seis jogos que atuou, fea dois pênaltis.

Santiago Silva: Uruguaio que veio do Chievo-ITA em 2002. Conhecido como “El Tanque”, jogou em cinco oportunidades e não marcou. Passou seis meses no Timão e seu estilo rompedor e de pouca técnica não deixou saudades.

Villamayor: Paraguaio que chegou em 1996. Se o Palmeiras tinha Arce, o Timão buscou outro lateral-direito do Paraguai. Sua limitação técnica fez com que o Corinthians se livra-se dele em três meses, negociando-o para o Cerro Porteño-PAR.

Macherano: Argentino que veio do River Plate. Contratado a peso de ouro pela MSI em 2005, o “Chefito”, apelido que tinha Seleção Argentina, não pode mostrar seu futebol devido a uma grave contusão que sofreu no pé durante o Brasileirão de 2005. Quando voltou, jogou pouco e logo entrou em conflito com o técnico Leão. Mascherano saiu em 2006, junto com Sebá e Tévez, sem nunca ter brilhado com a camisa corintiana.

Arce: Boliviano que veio do Oriente Petrolero-BOL. Sua chegada ao Timão virou notícia de primeira página nos jornais bolivianos em 2007. Apelidado de “El Cornejo” (O Coelho), Arce era um atacante esforçado e veloz, nada mais do que isto. Faz parte do elenco que rebaixa no Brasileirão de 2007e vai embora neste mesmo ano.

Suárez: Zagueiro chileno contratado ao Unión San Felipe-CHI. Veio como uma das principais promessas do futebol chileno em 2008. Jogou pouco e quando jogou não mostrou grandes coisas.

Escudero: Argentino que veio do Argentino Juniors-ARG. Escudero marcou o gol que tirou o Palmeiras da Sul-Americana de 2008. Quando chegou ao Corinthians, em 2009, mostrou-se um lateral-esquerdo de técnica limitadíssima e de muita, mas bota muita nisto, força física. Costumava confundir voluntariedade com violência, Sofreu uma grave lesão e ficou afastado dos gramados por cerca de oito meses em 2009. Perdeu espaço no elenco e voltou para a Argentina na metade de 2010.

Balbuena: Paraguaio que veio do Libertad-PAR em 2009. Chegou com fama de que atuava em várias posições, só que no Corinthians, quando jogou, pouco produziu. Soi embora em 2010.

Bobadilla: Paraguaio que veio do Independiente Medellín-COL. O goleiro veio para assumir a vaga de Felipe, na metade de 2009. Vindo da reserva da Seleção Paraguaia e como ídolo na Colômbia, Bobadilla deu um baita azar, pois Júlio César simplesmente não deu chance para ele. O paraguaio acabou perdendo espaço e nem no banco ficava, até ser desligado do Timão no início de 2010.

Caso a parte:

Defederico: Argentino que veio do Huracán-ARG. O Corinthians pagou quatro milhões de dólares pelo “novo Messi”. Defederico chegou em agosto de 2009 e ganhou a camisa 10. Em campo não conseguiu se firmar e enfrentou vários problemas, quase sempre ligados à sua adaptação. Após mais de um ano insistindo com o jogador, o Corinthians empresta Defederico para o Independiente-ARG, no final de 2010. A esperança é que o meia argentino volte mais maduro e renda o que a Fiel espera.

Uma resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s